Onde está a felicidade?

Sempre recorro ao tema "felicidade", mas não sou uma pessoa infeliz. Busco o que me dá prazer, nem sempre consigo, mas não desisto. Ser feliz, sem dúvida, é uma arte. Podemos aprender a ser felizes, mesmo contra todas as evidências.

"Muitos dos problemas sociais têm origem em desarranjos nos núcleos familiares. Conheço pais que, para garantir que nada falte aos filhos, trabalham horas a fio. Por fim, as crianças têm tudo, menos pai e mãe. É uma loucura: em nome do desejo de dar tudo às crianças, eles as privam do que mais necessitam.
O que é mais importante para um filho? Sair com ele para comprar um sapato caro ou levá-lo ao parque para empinar pipa? Sei o que importa: a pipa. Para muitos pais, é o sapato."

" Certa noite, um bêbado procurava algo ao redor de um farol. Surgiu um policial, que perguntou: - O que busca? Ele respondeu que eram as chaves da casa. O policial quis ajudar e após tentar muito, indagou:  - Tem certeza de que perdeu o chaveiro aqui? O homem disse que não, que havia desaparecido duas quadras antes. 
- E por que procura aqui? , quis saber o policial. 
- Por que aqui tem luz, foi a resposta do bêbado.
Essa história mostra que, em vez de buscar a felicidade onde a perdemos, nas coisas simples da vida, buscamos onde há luz, fazendo compras. A sociedade ilumina o consumismo. Mas a neurose é esta: buscar algo onde isso não está."

"As mulheres são preguiçosas (risos). No mundo, todas elas se queixam de que não há homens, e o curioso é que eles reclamam da falta de mulheres. Hoje, as pessoas não se veem mais, pois a sociedade eliminou os espaços de convivência. Supostamente, a internet favorece o encontro. Mas teclar não é o mesmo que estar cara a cara. Alguns têm 5 mil amigos no Facebook e se dizem satisfeitos. No fundo, não têm amigo nenhum. Antes, havia bailes e os casais se formavam. Para onde as pessoas vão hoje? A solidão nem sempre é ruim. Quando se tem prazer na própria companhia, estar só é ótimo. Essencial é compreender que o caminho da felicidade não é único. O que é bom para mim, não necessariamente é para o outro".

(Li as considerações na revista Lola, de out.2012. São do psicólogo argentino Jorge Bucay).
Para serem pensadas.
Enquanto leem e pensam a respeito, vou fazer meu recesso.
Desejo a todos um 2013 com muita saúde, paz, amor, harmonia, bençãos. (Para quem já me conhece bem, minha felicidade é atrelada à deles, meus netos, que ilustram o texto).
Tudo podemos, Naquele que nos fortalece.
Feliz Ano Novo!


Minha árvore de Natal diferente

  Eis que a árvore ficou pronta. Não do jeito que idealizamos (na verdade, não idealizei nada, sou ruim pra imaginar, mas esperava alguma coisa mais "tcham", tipo a original, da reportagem, que está aqui: http://sem-medida-lucia.blogspot.com.br/2012/11/uma-arvore-de-natal-diferente.html
Renata pensou em uma coisa, mas acabamos fazendo outra.
Acabei misturando alguns enfeites para alegrar as crianças  e optei pelas bolinhas coloridas.
O arranjo, mais sofisticado, acabou escondido, mas gostei do efeito.
Esta não é uma árvore "normal", então merece um arranjo diferente, só que resolvi muito tarde trazê-la de volta pra casa, estava no sítio, arrumada singelamente só com bolas e alguns enfeites típicos.
                           (Vai no link acima, reveja o post antigo, vai ver que é igualzinha à original)

Os "galhos" são móveis, podem ficar na posição que quisermos.
Ei-la, sendo ornamentada.
Tentamos encontrar as velas para enfeitá-la, acho que será o melhor arranjo para ela, mas não conseguimos encontrar as de led e velas normais seriam inviáveis, por causa das crianças.
Resolvi dar meu toque e acabei misturando muito, mas assim ela está e assim ficará. Acho que vai cumprir bem seu papel de enfeitar o Natal.
Fixei as bolinhas com durex. Claro que podíamos ter pensado mais e feito diferente, mas tem que ser bem pensado e com tempo. Os enfeites de madeira deram um efeito lúdico. Na verdade, a árvore foi feita exclusivamente em função das crianças. Por mim, não teria enfeite nenhum de Natal, a não ser um presépio e a guirlanda da porta.


Minha outra árvore, comprada no ano passado, para que a data não passasse sem nenhuma.
                 Coral de Pinguins/Coral de Anjinhos (as cores não ficaram fiéis).
 Feliz Natal a todos!

O que não pode faltar no seu Natal?

A pergunta, lida no FB, inspirou-me o texto. A Luci Cardinelli  fêz essa pergunta, ao falar das rabanadas que faz e peguei o gancho.
Por incrível que possa parecer, nunca comi rabanada. 
Agora vejo receitas com elas ao forno, o que anda me animando a fazer.
Mas o que não pode faltar no meu Natal, em matéria de comida, é a famosa "farofa da Vovó".Uma farofa que minha mãe sempre fêz, sempre amamos e os netos não passam sem ela.
Não agrada a todos, pois leva frutas e geralmente os homens não são muito de gostar da  mistura de salgado e doce.
Uma farofa simples, mas muito saborosa e o gosto inconfundível que só minha mãe dá a ela, não sabemos porquê. Duas irmãs já a fizeram, ficaram boas, mas mesmo com a supervisão da mamãe, não tem aquele gosto de que sempre nos lembraremos. Assim acontece com uma torta de galinha que ela faz, já fizemos com ela dando toda a atenção, mas como não põe a mão na massa (literalmente) , nunca achamos que esteja gostosa como a dela.  E não tem nenhum mistério, ingredientes comuns, massa comum, mas há sempre algo no tempero da mamãe que não conseguimos copiar.
A farofa é simples. Ingredientes:
Farinha de mandioca (o quanto baste)
1 Abacaxi
200 g Azeitonas verdes
200 g Ameixas
Banana prata madura, mas firme, frita. (Umas 10 bananas grandes)
2 colheres (sopa) bem cheias de manteiga, ou mais, dependendo da umidade que quer deixar na farofa.
 Preparo:
Picar em pedaços bem pequenos o abacaxi, reservando o suco que se desprende.
Azeitonas picadinhas.
Picar as ameixas em pedaços também pequenos.
Cortar as bananas longitudinalmente e depois como se fosse em rodelas, o que dará pedaços menores. Fritá-las em óleo limpo, bem pouco, deixando a banana macia e dourada.
Colocar a manteiga numa panela grande, deixar derreter e juntar todos os ingredientes, inclusive o caldo do abacaxi.
Usar a quantidade de farinha suficiente para deixar a farofa mais "molhadinha".
Usar sal, a gosto.
(Variar as quantidades dos ingredientes, de acordo com o número de pessoas presentes).

                (Não tenho nenhuma foto da "farofa da vovó", esta tirei do Google, só para ilustrar.)
Este é o prato que não pode faltar na nossa ceia de Natal. 
Um bom assunto para um post. Faça o seu!

O primeiro diploma

De volta pra casa. Como sempre, carregada de saudade dos netos. Nem tiro foto direito, tão envolvida fico com eles. 
Comemoramos a formatura do Estevão, foi aquilo que se espera de uma formatura, inclusive com torcida, na gritaria, assobios, gente em pé, na frente de todos, tirando fotos. Acho um desrespeito. Mas tudo vale a alegria do momento
Uma noite pra lá de emocionante.
Henrique se apoderou do capelo e Fabrício do "canudo" do diploma. Vovô, desconfortável para tirar a foto e Vovó, tensa, também não gosta de fotos.
Estevão, cansado já das muitas que tinha tirado. rs
Agora tenho 8 dias para colocar a casa em ordem, para recebê-los para o Natal e férias de janeiro.

Receber o abraço de Letícia, vale a volta


 E esperar pra ver Samuel ainda uns dias. 

Saidinha rápida

In loco, vou (re) apreciar as maravilhas que Niemeyer  fêz.
Volto logo. Cuidem-se!
(Apenas duas das maravilhas projetadas pelo grande arquiteto, que se foi hoje).
Oscar Niemeyer (15/12/1907- 05/12/2012)

Nada vem por acaso

 Não conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho, sem sacrificar feriados e domingos pelo menos uma centena de vezes.


Da mesma forma, se você quiser construir uma relação amiga com seus filhos, terá que se dedicar a isso, superar o cansaço, arrumar tempo para ficar com eles, deixar de lado o orgulho e o comodismo.
 Se quiser um casamento gratificante, terá que investir tempo, energia e sentimentos nesse objetivo.

O sucesso é construído à noite!
Durante o dia você faz o que todos fazem.
Mas, para obter um resultado diferente da maioria, você tem que ser especial.
Se fizer igual a todo mundo, obterá os mesmos resultados.
Não se compare à maioria, pois, infelizmente ela não é modelo de sucesso.
Se você quiser atingir uma meta especial...
Terá de planejar, enquanto os outros permanecem à frente 
da televisão.
 Terá de trabalhar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina.
A realização de um sonho depende de dedicação, há muita gente que espera que o sonho se realize por mágica, mas toda mágica é ilusão, e a ilusão não tira ninguém de onde está, 
em verdade a ilusão é combustível dos perdedores pois..
Quem quer fazer alguma coisa, encontra um MEIO.
Quem não quer fazer nada, encontra uma DESCULPA. " 

Encontrei esse texto em postagens, duas vezes, nessa semana. Concordo com tudo, poderia ter sido eu a escrevê-lo. Uma variação antiga da última frase, sempre ouvi em minha casa: "Quem quer, faz. Quem não quer, manda".
Sigo muito isso, então sou controladora, quando quero algo muito bem feito (ou será: feito do meu jeito?!), vou eu mesma e faço. Nada acontece caído do céu, para ninguém. Tudo precisa ser planejado, pensado, construido, muitas vezes com sacrifício mesmo.
(Fotos Google)

Livre-se do lixo!

 Temos ouvidos para ouvir e olhos para enxergar.
Cada momento da vida pode ser motivo para uma parada e uma avaliação. 
Conselhos são dados e nem sempre bem recebidos, o que pode nos causar contratempos na vida, pois é melhor ouvir do que se arrepender depois.  
Cada momento, de cada pessoa, é único. Muitas coisas podemos seguir, muitas queremos viver, pode ser que dê certo, nem sempre uma má experiência de alguém pode dar errado conosco também. 
Por isso há os que ousam, contra todas as expectativas de que não dará certo. E pode dar, ótimo, parabéns! ou não dar, como o previsto, e aí é enfiar o rabo entre as pernas (ditado antigo), admitir o erro e partir para outra empreitada. 
Por que a vida não vem mesmo com manual, o que é bom pra uns pode ser ruim pra outros e o melhor que fazemos é viver cada momento com alegria e esperança de que tudo vai dar certo.
O texto abaixo passa uma bela lição. Recebi-o por e-mail, não sei a autoria.
 
  "Um dia peguei um táxi. O motorista, atencioso e atento ao trânsito, estava rodando na faixa certa quando, de repente, um carro preto saltou do estacionamento na nossa frente.
O taxista pisou no freio, deslizou e escapou do outro carro por um triz!
O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós, nervosamente.
Mas o taxista, sereno, apenas sorriu e acenou para o cara, fazendo um sinal de positivo. E ele o fez de maneira bastante amigável. Indignado lhe perguntei: 
Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro e nos manda para o hospital!  
Foi quando o motorista do táxi me ensinou o que eu agora chamo de  "A Lei do Caminhão de Lixo."
Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo. Andam por ai carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, traumas e de desapontamento. À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. Não  tome isso pessoalmente. Isto não é problema seu! Apenas sorria, acene, deseje-lhes o bem, e vá em frente. Não pegue o lixo de tais pessoas e nem o espalhe sobre outras pessoas no trabalho, EM CASA, ou nas ruas. 
Fique tranquilo... respire E DEIXE O LIXEIRO PASSAR.
O princípio disso é que pessoas felizes não deixam os caminhões de lixo estragarem o seu dia. A vida é muito curta, não leve lixo. Limpe os sentimentos ruins, aborrecimentos do trabalho, picuinhas pessoais, ódio e frustações. Ame as pessoas que lhe tratam bem. E trate bem as que não o fazem.
A vida é dez por cento o que você faz dela e noventa por cento a maneira como você a recebe!

Tenha sempre um bom dia, livre-se de lixo!"


Um dia (in)comum

 Mais uma vez, grande Fal Azevedo:"... um dia incomumente difícil no que diz respeito ao controle e à minha eterna incapacidade de respirar fundo e deixar para lá."

 O sol brilha no céu infinito, irradiando luz e calor.
 Os pássaros cantam e alegram o dia. (Esses cantam sem abrir o bico. Acho que estão certos!)

 A chuva fina prenuncia um frio fora de época.
Nada pode me tirar a alegria.
Ou tudo me tira a alegria.

O dia amanhece iluminado.
Os pássaros gorjeiam no quintal. 
A primavera traz o fruto doce.

                 (Frutas colhidas na hora, quintal da minha mãe: amora, pitanga e manga)
 Há riso e alegria em toda parte.
O céu, de azul anil inspira o poeta.
O riso da criança alegra o coração.

 Sapos pululam na lagoa.
O patinho faz quá quá.
O pintinho faz piu piu.
O gatinho faz miau.
O cachorrinho faz au au.
Há um mundo de cor e luz,
basta saber enxergar.

(Hoje foi um dia muito, muito chato. E como ninguém tem nada com isso, é preferível desabafar de uma maneira sem pé nem cabeça. Incrível como as pessoas interferem na minha alegria! Pareço ter 12 anos, de tanta sensibilidade. Ou 5 anos, vontade de olhar pras pessoas e dizer o que eu penso. Ou os meus tantos entas e ficar calada, ou sutilmente desabafar. Sem pé nem cabeça, mas confiante em que amanhã será um novo dia. E que, por mais que me afetem, sou maior.)

Para quem eu daria o cartão vermelho?

  Há mais de 3 anos rolou uma blogagem que pedia a lista de 10 ítens que achávamos que merecia cartão vermelho. Fiz a minha, a convite da Beth Lilás, e hoje resolvi postar de novo, notando que não mudaria nada, mas acrescentaria muita coisa. Difícil escolher apenas 10!


Faço minha a lista da Beth. É mais ou menos a indignação de todo mundo.
1) Cartão vermelho para a corrupção e bandalheira que regem a política, não só a nacional mas a mundial, desde tempos imemoriais.
2) para o descaso dos governantes pela população miserável, que não tem nem onde morar.
3) para as famílias que abandonam seus idosos.
4) para os que acham que beber e dirigir são atos compatíveis.
5) para pais que não ensinam - em casa , desde cedo - o respeito ao próximo.
6) para a dor, tanto física quanto espiritual.
7) para a falta de voluntários nas instituições de caridade.
8) para as "tragédias anunciadas" , causadas em parte pelos fenômenos da natureza mas alimentadas dia após dia pela falta de comprometimento da humanidade.
9) para a baixa remuneração do professor, principalmente o de escola estadual.
10) para a falta de moral do mundo moderno. 
Não mudo nada e acrescento: Cartão vermelho para a pedofilia, como bem lembrou a Vívian, nos comentários da época e 
Cartão vermelho para a falta de paciência do ser humano em geral, a maledicência, a facilidade que se tem de apontar o dedo para acusar, sem antes saber dos fatos.
Quer ler o texto original?
Quer fazer a sua lista? Não precisa ser de 10 ítens, acho que todos nós teremos uma maior. Faça a sua, num post.
"Para quem eu daria Cartão Vermelho". Sem dia marcado.  

Ela anda por aí, bem perto...

"A luta ansiosa pela felicidade
é o que dá infelicidade a muita gente." 

(Prof. Hermógenes)


Li hoje, no FB da amiga Maria Izabel. Uma frase impactante. Realmente, enquanto procuramos uma felicidade que é apenas uma idealização, deixamos passar a "verdadeira" felicidade.
Que é...qual mesmo?
Ser feliz passa, para mim, por ter uma estabilidade (emocional, principalmente), saúde, os que amo estarem igualmente bem.
Quantas vezes está tudo ótimo com você, mas um filho, ou um irmão, um amigo, a mãe, o pai, um vizinho...enfim, alguém querido passa por uma dificuldade e lá se vai nossa alegria, junto com a alegria deles?
Felicidade, como qualquer sentimento, é subjetiva. O que me faz feliz pode não ser o que o faz feliz. E vice-versa.
Às vezes buscamos a felicidade em algo material. Não é tão comum se dizer que "melhor chorar em Paris do que em casa?" . Se estamos felizes ou não, o sentimento está dentro, não fora de nós e o carregamos para onde formos.
Ser feliz, para mim, é estar estável, financeiramente. Podendo pagar o que quero, o que preciso, sem fazer dívidas. Claro que comprar à prestação não é estar individado. O importante, ao comprar, é planejar para saber que terei o dinheiro do parcelamento rigorosamente em dia, no vencimento.
Ser feliz é estar saudável, não há nada que desestabilize mais uma vida do que perder a saúde. Enquanto a temos, tudo o mais é fácil, viver é realmente lutar e para isso temos que ter força física, vigor, que só a saúde nos dá.
"Felicidade é um momento que dura uma eternidade. Se durar mais que um momento, já não é felicidade".
Uma frase com  a qual não concordo, pois felicidade dura o tempo que quisermos. Dura uma vida inteira, dependendo de como encaramos a vida.
Felicidade é o canto do passarinho, o latido do seu cãozinho, o miado do seu gato, o tic-tac do relógio anunciando as horas passando e o momento esperado chegando, as folhas de outono atapetando o chão,o riso da criança, a figura de um velhinho, o abraço da vovó, o beijo da mãe e do pai, o abraço do amigo, o cheiro de terra molhada, a chuva caindo mansamente, o sol brilhando sem queimar, o riacho que se encontra com o rio, que vai dar no mar, a flor que brotou nessa manhã, a fruta colhida no pé, as flores da primavera,um voo de asa-delta, os pés firmes no chão, o resultado do vestibular ou de um concurso, o diploma na mão, um "sim" que se esperou, os primeiros passos do filho, o vestido vermelho tão desejado, uma praia deserta,o primeiro baton só seu, o "não" àquele resultado de exame, o primeiro beijo, o primeiro amor, o vento de agosto, a neve, um passeio ao zoológico, um passeio de bicicleta, um livro nas mãos - uma lista infindável de situações e momentos.
A felicidade é um estado de espírito. Tão somente. Não depende de nada, nada. 
É apenas para ser sentida, percebida.

(Renoir. Rosas e jasmins)

Uma árvore de Natal diferente




Há anos encontrei esta árvore de Natal, não me lembro em que revista, alguma tipo Cláudia, se não me engano chamava-se Desfile.
Encantei-me por ela e o marido prendado fêz uma igual. Obviamente não encontrei os enfeites e ela foi pobremente decorada, não gostei e acabei montando-a mais uns 2 anos somente e ela agora fica no sítio, onde ele mesmo a decora, sem nenhum glamour. rs
Fácil de fazer, para quem tem essa habilidade:
Se encontrasse todos os elementos para a decoração da revista, ela ficaria muito bonita, gosto de dourado.
Não monto árvore de Natal desde que os filhos deixaram de ser crianças, nunca gostei desse Natal americanizado. 
Meus enfeites se limitam à guirlanda da porta, que só coloco dia 08/12, dia consagrado (em BH) a Nossa Senhora da Imaculada Conceição, padroeira da cidade.
Tenho dois enfeites lindos, que depois mostro aqui, um coral de biscuit, com figuras de crianças e outro coral com figuras de pinguins, são um mimo.
Para quem quiser aproveitar a ideia da árvore de Natal de madeira, ainda há tempo de confeccioná-la.
(Clique nas imagens, depois use a lupinha que aparece e lerá todo o texto).

Libertar um livro



 Pela primeira vez participo e confesso que não é fácil me desfazer dos meus livros.
Gostei da ideia de deixá-los esquecidos em algum lugar, mas só hoje o faço.
Não escolhi os que daria, cairam-me nas mãos, assim que abri a porta de onde estavam. Com a arrumação que fiz em casa, ano passado, ainda não os tenho no lugar, há livro por todo lado.
Estes são dois que li há anos, não há neles nada que me indiquem de onde vieram. Quando compro, sempre coloco meu nome em várias páginas (para evitar que retirem por ex., apenas a página inicial, onde se costuma colocar) e coloco a data. Quando ganho e vem sem dedicatória (mais usado, agora, num cartão), coloco a observação: Fulano me deu. E a data. 
Os dois são baseados em textos bíblicos e espero que possam ajudar a quem os encontrar.
Defendo a ideia de que o mundo anda como anda por falta de Deus no coração das pessoas. O Deus que cada um tem que ter em si mesmo. Uma força benéfica que nos leva na direção certa. Um Deus que pode ter o nome que queiram, mas seja referência, que O temamos, sem que seja "ter medo", que respeitemos.
Sobre a autora de "Viva vencendo", Maria Amélia Rizzo, nada encontrei, nem no próprio livro.
Seu texto é mais voltado para o incentivo à vitória, sempre acreditando nas palavras bíblicas, não com pieguice mas instruindo as pessoas a lutar, reagir, procurar a si mesmo através da fé. Não sei se diria que é uma auto-ajuda, parece-me mais uma chamada a acreditar no poder que temos em nós mesmos.
  Sobre Joseph Murphy, cujo maior sucesso (até hoje é muito vendido) é o livro "O poder do subconsciente", este "O poder da oração" leva-nos a entender o valor que uma oração tem na vida do que crê.
Joseph Murphy nasceu em 1898, na Irlanda e morreu em 1981, nos Estados Unidos.
 Estudou Religião, Filosofia e Direito. Passou muitos anos estudando as principais religiões do mundo, tendo-se convencido da existência de um grande poder por detrás de todas elas: o poder que existe dentro de cada um, o poder do subconsciente.
Ele explica a linguagem bíblica, que é simbólica, à luz do racional.
Não me lembrava mais da leitura e assim que abri, aleatoriamente, deparei-me com esse parágrafo:
" ...Devemos compreender o significado da palavra igreja. A verdadeira igreja é o consciente do homem, do qual ele extrai toda a sabedoria, força e poder de que necessita para manter-se plenamente e ser expresso em seu mais alto nível. Uma igreja na linguagem bíblica não é uma seita ou denominação. É um agregado de ideias espirituais no consciente individual".
O livro é todo assim, exortando-nos a decifrar o que há por trás dos simbolismos religiosos, das parábolas, etc.
Nesse mundo tão conturbado, tão desatinado, espero que caiam em mãos de quem realmente precise acrescentar fé e esperança em suas vidas.
Ontem, domingo, deixei os dois em um shopping lotado de pessoas que foram ver a chegada do Papai Noel. Deixei um em cada canto. Na primeira mesa, saí e logo passei por lá, de novo. A mesa já tinha sido ocupada por duas moças, que não o pegaram e olhavam desconfiadas, talvez esperando que o dono voltasse logo. Em vez de bilhete, coloquei um texto na contra-capa, dizendo que o livro não estava "perdido" e se fosse "encontrado", que fosse lido e novamente liberado para outra pessoa.
O outro, deixei em um balcão, junto aos cardápios do lugar.
Foram livros que não me importei de liberar, sei que o conteúdo, se lido cuidadosamente, pode ajudar muito a quem o ler. Mas há alguns que certamente nunca "libertarei", pois família grande sempre tem muitos leitores. Vou preferir comprar  os títulos de que gostei muito e "soltá-los" em seguida. 
(Algum sentido deve ter, a escolha desses dois livros). 

Isso é coisa de humanos

 Todo mundo sabe que fico brava quando falam do Brasil.
Não sou alienada e sei bem dos problemas pelos quais passamos, que não são poucos e existem desde que me entendo por gente.
A cada ano as coisas têm piorado, mas como vivemos aqui, achamos que é só aqui.
Problemas existem em todos os lugares habitados pelo homem.
Problemas de toda ordem: geográfica, histórica, moral, social.
O homem é um animal racional, que nem sempre usa sua racionalidade. E quando quer "causar", o faz, seja ele branco, amarelo, vermelho, negro ou que "classificação" tenha, etnicamente.
Hoje em dia parece que quem é honesto tem uma qualidade a mais, como se honestidade fosse uma novidade atrelada aos homens. Achou dinheiro na rua e devolveu é herói. 
Errado, por mais pobre que seja, é ficar com o que não é seu.
Policial corrupto, político corrupto, qualquer que seja a profissão, há quem exerça sua veia de fora-da-lei, se assim o quiser.
O que temos de pior em comparação a outros países são as leis fracas, que não se cumprem e privilegiam alguns.
Tenho tio que mora há mais de 40 anos na Itália e conta casos comuns de bandidagem na política, roubos de turistas, tudo acontecendo na bela Roma, ou em que cidadezinha for. Haja vista que é a terra dos mafiosos, né?
Hoje fiz uma postagem no FB e uma amiga, que mora em país europeu, contou de roubos acontecendo em uma loja, sendo que um deles aconteceu enquanto o vendedor lhe contava que tinha havido outros.
Num blog que li esta semana, com fotos belíssimas da Bélgica, a blogueira conta que foram roubados numa estação de trem, num segundo de descuido. Ainda há quem vá dizer que devia ser alguém de outro país, quem sabe até um brasileiro, né?
Uma sobrinha foi roubada em pleno metrô de Paris, abriram sua mochila e tiraram tudo, sem que ela percebesse. O verdadeiro "mão-leve". Seria ele um brasileiro?
Estamos, já alguns anos, com um índice grande de assaltos, roubos, furtos, agora mortes de jovens, de policias, um bang-bang digno dos filmes que Hollywood sabia tão bem fazer e exportou para o mundo.
Só que o bang-bang deles era cenográfico.
Nem se sabe de onde tiravam as histórias, como as de tantos gângsters que infestaram os filmes.
Gente é gente e não há divisão de países, não está estabelecido que bandido só nasce aqui no Brasil.
Outra coisa que me enerva sobremaneira é falarem que o brasileiro gosta de levar vantagem em tudo, que para tudo tem o seu "jeitinho". Todo mundo que quer se beneficiar de alguma coisa usa de um jeitinho, seja em que lugar for, seja ele de que nacionalidade for.
De uns meses para cá, BH está com grande índice de assassinatos entre gangs, assaltos seguidos de morte, roubos de casas, aproveitam qualquer descuido, entram, rendem a família, fazem um dos membros de refém e saem com ele para bancos, onde têm que sacar dinheiro e depois são deixados em local ermo. E ainda se tem que ficar aliviado pois  foi poupado de levar um tiro à queima-roupa. A violência, os desmandos, estão aí, não tampo o sol com a peneira.
E, sim, tenho medo, por mim, por meu marido, por meus filhos, netos, irmãos, sobrinhos, amigos, enfim, sair de casa virou uma aventura.
Mas nem por isso vou desmerecer o Brasil, é um momento, uma contingência, alguma coisa tem que estar sendo feita para inibir essas ações, essa bandidagem, essa falta de moral, que tem que vir lá da infância, com pais ajustados que formam filhos ajustados. Começar lá de baixo, pois "é de pequenino que se torce o pepino".
Em vez de depreciar o Brasil, vamos nos unir para ajustar os ponteiros e fazer do nosso país um lugar onde possamos viver em paz, em irmandade, em igualdade. 
Pobreza sempre existirá, pobre não é destinado a ser bandido. Bandido é quem tem má índole, pode ser pobre ou não. 
Não falemos do Brasil como se fosse um caso perdido. Antes, olhemos para ele como os pais olham para um filho, nunca achando que ele seja "um caso perdido".
Chega de falar, precisamos agir.

Como eu gostaria que meus filhos se lembrassem de mim

Essa questão, proposta pela Nina, chegou em boa hora. Numa hora em que ando me questionando, pensando muito em quem sou e o que significo para as pessoas. (Blog da Nina: http://entremaeefilha.blogspot.com.br)
Como filha, sei que não tenho dado à minha mãe a atenção que ela merece, por isso me pego pensando no que esperar dos meus filhos.
Claro que gostaria de ser lembrada como uma boa mãe, o que sei que sou.
Com muitos defeitos, mas muitas qualidades.
Na verdade, a melhor lembrança que podemos deixar são os exemplos.
Gostaria que meus filhos se lembrassem de mim sempre com carinho.
Que esquecessem meus excessos, meus tantos "nãos", tantos xingos, tanta repressão, tantas cobranças. 
Agora que são pais sabem que o caminho é esse, ensinar, educar, preparar para a vida é ter pulso, cobrar mesmo, antes os pais do que a pópria vida.
Não fui mãe de ir pra cozinha fazer a comida preferida dos filhos (mas sabia quais eram e pedia para serem feitas), bolinhos de chuva num dia frio, biscoito de polvilho frito, daquele que espirra óleo pela cozinha toda (fiz bem menos vezes do que gostaria), um doce, uma torta, uma sobremesa. Isso não fui e disso me penitencio, mas cozinha não era minha praia.
Mas fui a mãe que passou a noite em claro quando eles precisaram, com febre, ou dor. E que, aí, sim, tinha uma sopa prontinha, ou um mingau, feito com preocupação e medo, pois nada me tirava mais o chão do que vê-los sofrendo, seja até por um dente que bambeou e custou a sair.
Decididamente, nunca fui mãe que terceirizou a criação dos filhos. 
Gostaria que se lembrassem de  mim como a pessoa que mais lhes quis bem.O que não me dá o direito de cobrar isso deles, o amor é tão natural, tão incondicional que nunca me pesou amá-los.
Fui mãe em tempo integral, sem férias, sem passeios, nada que não os incluisse.
Fui mãe controladora, aos poucos soltando-os para a vida, bem mais tarde do que eles queriam e muito mais cedo do que desejava.
Nunca tive dúvida de que ser mãe é um privilégio e amar é só um dos bônus da maternidade, vem de graça, não pesa, não frustra.
Mas sempre digo que se voltar, em outra vida, e puder escolher, não serei mãe.
Porque amei demais, me dei demais, e filhos são como todas as pessoas, são seres individuais, querem suas vidas, precisam de outras pessoas e nós, mães, temos a pretensão de sermos insubstituíveis. 
Não criei filhos para o mundo. Preparei-os para isso, para estarem de pé, mas não para que amarrassem as calças (expressão antiga) e fossem viver longe de mim. Essa é a parte difícil, são muitos os cordões que nos prendem aos filhos, o umbilical é apenas o primeiro.
Hoje sei que meus filhos sofrerão menos quando eu me for, porque agora são pais e o bem mais precioso são os filhos que têm.
Quero ser lembrada apenas pelas minhas qualidades. Esqueçam meus defeitos, como esqueço os deles.
Quero ser lembrada num pedaço de bolo com recheio: "Mamãe adorava um bolo assim!"
Quero ser lembrada numa casa limpa, organizada, arrumada com gosto: "Mamãe detestaria chegar aqui agora e ver essa cama sem arrumar".
Quero ser lembrada num cajuzinho, num olho-de-sogra, num sanduiche: "Festa pra mamãe tinha que ter cajuzinho e olho-de-sogra". "Mamãe amava esse sanduiche de frango".
Quero ser lembrada num por do sol, num amanhecer, numa gaveta arrumada, numa música, numa comida.
Quero ser lembrada num dia de alegria, vontade que eu estivesse ali com eles.  
Ou num dia de tristeza, com certeza de que os amparo nos braços.
Quero ser lembrada com amor. Que foi o melhor que dei a eles.  (Cada um dos meus bebês, na foto de 1 ano de idade).

"A vida não está amarrada com um laço, mas ainda é um presente"

 Qualquer pessoa mais informada sabe que a Internet é terra de ninguém. Aqui se pode tudo, teclamos e todas as telas que queiram leem e reproduzem ...o que querem.
Sempre procuro saber dos textos que leio, não aceito qualquer citação como verdadeiramente do autor que aparece nela.
Enfim, há meses rola por aqui um texto atribuido a uma senhora de 90 anos.
Só que a autora dele, Regina Brett, é uma jovem mulher de 56 anos. Leia:

Regina Brett – não tem 90 anos!

tl_files/destaques/mini_1/123.jpgA escritora até brinca com a situação, mas alerta para informações errôneas, que podem iludir (no mínimo), sobre pessoas, fatos, etc.

"Cuidado com a Internet". Certa vez escrevi as 45 lições que a vida me ensinou, em seguida, acrescentei mais cinco lições para quando eu completasse 50 anos em 2006. Só que alguém mudou a minha idade. Agora lê: "Escrito por Regina Brett, 90 anos."
Fiz 56 anos em maio de 2012.
As pessoas ficam confusas quando vêm a minha imagem. "Não parece ter 90 anos. Ou além de ser abençoada com uma vida longa e produtiva, você também tem um segredo para manter a idade notável! "
Uma senhora disse: "Eu descobri que eram apenas 50. Que decepção! De alguma forma, eu acho, pensaram que estas palavras ditas por mim, seriam melhores se eu tivesse 90 anos ".
Eu não sei como dar a notícia para Berthabelle em Eugene, Oregon Ela escreveu: "Nós somos da mesma idade, exceto que eu nasci em 1 de novembro de 1918. Não é ótimo que ambas tenhamos noventa anos? Carinhosamente, Bertie ".


Regina Brett escreve profissionalmente desde 1986 e desde 1994 possui coluna no jornal The Plain Dealer. Por três anos manteve um programa semanal de rádio. Possui diploma de mestre em estudos religiosos e bacharel em jornalismo. Mais recentemente vem fazendo sucesso com o livro Good Never Blink, 50 Lessons dor Life's Little Detours.

E aqui o texto dela, como o recebi, agora também nem sei se foi isso mesmo que ela disse...Todo cuidado é pouco com o que reproduzimos, procurem sempre saber a verdadeira autoria.

01) A vida não é justa, mas ainda é boa.
02) Quando estiver em dúvida, apenas dê o próximo      

pequeno passo.
03) A vida é muito curta para perdermos tempo odiando alguém.
04) Seu trabalho não vai cuidar de você quando adoecer. Seus amigos e seus pais vão. Mantenha contato.
05) Pague suas faturas de cartão de crédito todo mês.
06) Você não tem que vencer todo argumento. Concorde para discordar.
07) Chore com alguém. É mais curador do que chorar sozinho.
08) Está tudo bem em ficar bravo com Deus. Ele aguenta.

09) Poupe para a aposentadoria começando com seu primeiro salário.
10) Quando se trata de chocolate, resistência é em vão.
11) Sele a paz com seu passado para que ele não estrague seu presente.
12) Está tudo bem em seus filhos o verem chorar.
13) Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem idéia do que se trata a jornada deles.
14) Se um relacionamento tem que ser um segredo, você não deveria estar nele.
15) Tudo pode mudar num piscar de olhos; mas não se preocupe, Deus nunca pisca.
16) Respire bem fundo. Isso acalma a mente.
17) Desfaça-se de tudo que não é útil, bonito e prazeroso.
18) O que não nos mata, realmente nos torna mais fortes.
19) Nunca é tarde demais para se ter uma infância feliz. Mas a segunda só depende de você e mais ninguém.
20) Quando se trata de ir atrás do que você ama na vida, não aceite não como resposta.
21) Acenda velas, coloque os lençóis bonitos, use a lingerie elegante. Não guarde para uma ocasião especial. Hoje é especial.
22) Prepare-se bastante, depois deixe-se levar pela maré.
23) Seja excêntrico agora, não espere ficar velho para usar roxo.
24) O órgão sexual mais importante é o cérebro.
25) Ninguém é responsável pela sua felicidade além de você.
26) Encare cada chamado "desastre" com essas palavras: Em cinco anos, vai importar?
27) Sempre escolha a vida.

28) Perdoe tudo de todos.
29) O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.
30) O tempo cura quase tudo. Dê tempo.
31) Independentemente se a situação é boa ou ruim, irá mudar.
32) Não se leve tão a sério. Ninguém mais leva...
33) Acredite em milagres.
34) Deus lhe ama por causa de quem Deus é, não pelo o que você fez ou deixou de fazer.
35) Não faça auditoria de sua vida. Apareça e faça o melhor dela AGORA!
36) Envelhecer é melhor do que a alternativa (que é morrer jovem).
37) Seus filhos só têm uma infância.
38) Tudo o que realmente importa no final é que você amou.
39) Vá para a rua todo dia. Milagres estão esperando em todos os lugares.
40) Se todos jogássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos os de todo mundo, pegaríamos os nossos de volta.
41) Inveja é perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa.
42) O melhor está por vir.
43) Não importa como você se sinta, levante, vista-se e apareça.
44) Produza.
45) A vida não vem embrulhada em um laço, mas ainda é um presente!



 (Imagem Google e texto aqui)